A GAZETA DE ALGOL

"O morto do necrotério Guaron ressuscitou! Que medo!"

Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


fanworks:fanfictions:gazeta_de_algol:fic-gazeta_de_algol_004

A Gazeta de Algol

Autor: Kal Banga

Episodio 4

PS: Isto é uma obra de ficção: Pessoas reais são citadas, mas são paródias delas mesmas. Não leve tudo a sério, isto é a vida ^_^. Se você ficar chateado com algo escrito aqui, apenas saiba: isso não é com você, mas com alguém inspirado em você, um outro personagem. Dito isso, muito obrigado por estarem vendo esta fanfic! Boa leitura!

Orakio Rob: Não temos escolha. É o único jeito!

Paulo: Não, não e não! Isso é ridículo demais!!!

Dark Landale: Mas só você pode fazê-lo! Afinal você é o maior estudioso de Motávia nesta área!

Paulo: Não me forcem! Isso é ridículo!

Daniel: O mundo está em nossas mãos, Paulo. Sacrifícios devem ser feitos!

O jovem Paulo olha para os seus companheiros. Teria que chegar tão longe para fazerem isso? Tá certo que ele era realmente o maior especialista no assunto, mas isso já era demais!!!

Paulo: Não pode ser outro? Qualquer um!!!!

Orakio Rob: Não, é o único que temos. Foi um presente da Selie, talvez ela tenha previsto que isso fosse acontecer.

Paulo: Tudo bem, já que é pelo universo…

Yoz: Fiquem em seus postos! Isso tem que ser sincronizado!

Dark: Já liguei o som! Corram!

A porta da gazeta de Algol se abre com um estrondo. Os revoltados leitores se assustam, mas apertam mais ainda suas armas de cerâmica. Logo eles vêem uma cena que ilumina seus olhos: uma garota de cabelos pretos, olhos grandes, vestido rosa com dourado e com uma espada de qualidade duvidosa estava na porta. Uma música muito familiar e nostálgica é tocada ao fundo: O lendário tema da Rainha Alis, que atravessou o tempo e é lembrada ainda hoje…

Homem: Não pode ser, mas é…

Mulher: A rainha! É ela mesma!

Menino: A mulher da estátua de Termi! Alisa.. Alis, algum nome desse!

Bem, na verdade o cabelo preto era uma peruca, e a roupa toda uma bela fantasia. Debaixo dela, um envergonhado Paulo tenta sorrir nervoso para a multidão pasma. Enquanto isso, Orakio, Dark Landale e Yoz pulam pela janela e chinelam* rapidamente em direção a saída da cidade. Realmente ele era o melhor especialista no assunto, já havia se fantasiado de vários personagens diferentes. Desde Sonic, até Rugal!

* Chinelam, do cearencês que significa “Correm mais rápido que suas pernas”.

Homem: Alis! eu sempre fui seu fã! — Abraça efusivamente — como é bom toca-la, sentir seus cabelos…

Alis: Sai pra lá mermão! Posso tá de saia mas por dentro eu sou espada, ouviu bem?

crio crio crio crio crio (Cântico de Grilo motaviano para a hora do Créu).

Mulher: É uma farsa! Eles ainda tentam enganar mais a gente!

Menino: Buaaaaaá, eu queria treinar com a verdadeira Alis e vira um grandi guerreru!!!

Rapaz: Vejam! Ele destruiu o sonho do Menino!

Paulo: Muito bem, é melhor se aproximarem, digo, se afastarem! Eu estou armado com uma verdadeira ESPADA DE LACÔNIA aqui! Quem se aproximar vai ser destruído com o meu RayBlade*, tão ouvindo!

* Não, não é um pião especial com uma fera bit e sim o nome de um golpe de Phantasy Star 4!

Homem: Tem escrito na lâmina “Made in Uzo”.

Paulo: É que… Ela foi forjada em Uzo!

Mulher: Uzo é a capital dos camelôs… Olha tem um botão aqui! -aperta-

Barulhos esquisitos e infantis saltam da espada e ela brilha em um caleidoscópio de luzes brilhantes. Os leitores cobrem os olhos e tentam se proteger do brilho, mas é intenso demais. Para economizar nos custos, os nobres comerciantes honestos não catalogados de Uzo usaram um material que brilhava tão forte que causa irritação aos olhos. Apenas 1,99 meseta!

Paulo: Salvo pelo defeito no brinquedo! — Paulo corre e volta para a redação.

Bem longe dali…

Orakio: Será que eles vão ficar bem?

Yoz: Olha, o edifício da Gazeta é antigo, mas já suportou tempestades de areia, arrastões, uso capião e 2 chuvas! Não vai ser uma multidão enfurecida que vai derrubar nossa fortaleza!

Dark Landale: Nossa, eu me sinto um verdadeiro herói! Indo para uma aventura desconhecida em um lugar desconhecido!

Orakio Rob: Pelo menos o lugar é conhecido. Estamos indo para a torre Ladea, lar de Mike!

Yoz: Lá onde Judas perdeu as botas… Deixa eu ver, nós saímos de Zema, então… Vamos ter que cruzar boa parte de Motávia…

Dark Landale: Ah, que é isso. Nós vamos conseguir! Eu tenho sangue Ladaleano, Orakio é um tradutor excepcional e eu nunca vi o Yoz perder uma briga. O que pode nos deter?

E então, eles param.

Yoz: O que foi, Orakio?

Orakio: Esquecemos de comprar mantimentos. E armas. Droga, devia ter pegado meus equipamentos de ferro!

Dark Landale: Putz! Então, vamos voltar logo!!!

Yoz: Tá louco? Eu posso até ser bruto, mas peitar uma cidade inteira não é mole não!

Um nativo de Motávia se aproxima. Pêlos azuis pelo corpo, olhos vermelhos, boca de bico e uma faca nas mãos…

Motaviano: O dinheiro ou a vida!

Dark Landale: Ferrou!!!!

Orakio: Sem pânico! A gente pode conseguir se safar desta, é só fazermos como os heróis do passado faziam nessas horas…

Dark Landale: Tentar uma conversa pacífica?

Orakio: Que mané conversa pacífica! Correr!!!

Quando Orakio vai se virar, ele vê mais motavianos atrás deles… Uma emboscada!

Orakio: Ok, agora a gente tenta falar…

E agora? Como será que nossos heróis vão se safar desta? Descubra no próximo capitulo!!!

fanworks/fanfictions/gazeta_de_algol/fic-gazeta_de_algol_004.txt · Última modificação: 2009/01/13 11:58 (edição externa)